handsome-businessman-in-classic-shirt-and-eyeglasses_Easy-Resize_edited.jpg
Blog

Lideranças ESG


Li um post recente de Christoph Schweizer, atual CEO do Boston Consulting Group (BCG), no qual ele evidencia sua surpresa com os sinais que capturou durante a reunião virtual do Fórum Econômico Mundial – DAVOS ocorrida há poucos dias.

A maioria dos líderes participantes certamente esperava que o foco das discussões se concentrasse em dois temas fundamentais óbvios: a pandemia e o clima.

Ambos certamente estiveram fortemente na pauta, mas o que chamou a atenção de Christoph foi a presença de outros temas, que nunca foram priorizados.

Entre eles, quatro foram mais relevantes:

  • É extremamente importante que as lideranças empresariais combatam a proliferação da desinformação, comunicando-se com clareza interna e externamente, especialmente sobre temas de importância global, por exemplo como mudanças climáticas e COVID-19. Afinal, em sintonia com os ensinamentos de Stephen M. R. Covey em seu livro “A velocidade da confiança”: a desinformação destrói a confiança e, com isso, a solução dos problemas fica muito mais lenta e bem mais cara. É exatamente isso que estamos vendo aumentar nos últimos tempos.

  • Temos que ampliar a Inclusão digital, pois a pandemia acelerou a necessidade de conectividade por esse meio. Todavia, uma parcela imensa da população mundial foi excluída pela falta de acesso à Internet de alta velocidade, principalmente nos países em desenvolvimento e mesmo nos desenvolvidos. Atualmente, 37% da população global não usa a internet e esse percentual precisa ser reduzido com a maior prioridade.

  • Uma preocupação com o que chamou de "Desigualdade Crescente" foi colocada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres. Em seu depoimento, ele destacou que houve uma “incapacidade global de apoiar os países em desenvolvimento em sua hora de necessidade”. Uma evidência desse problema se esclarece quando sabemos que 80% dos investimentos destinados às consequências econômicas da pandemia foram injetados especificamente nas economias desenvolvidas, deixando os países de baixa renda literalmente para trás. Assim, cabe às lideranças empresariais e às grandes lideranças dos países desenvolvidos apoiarem as economias em desenvolvimento através de uma reforma do sistema financeiro global para correção de processos de "recuperação desequilibrada" como o que ocorreu.

  • Finalmente, as lideranças demostraram preocupação em relação à necessidade de tornarem as cadeias de suprimentos globais mais resilientes como preparação para o que chamaram de “Interrupção de Trabalho”, provocada por um grande evento trabalhista em conexão com efeitos inflacionários, que poderá trazer interrupções de suas atividades em todo o mundo. Sem dúvida, caso isso venha a se concretizar, trará impactos negativos à economia, o que é totalmente indesejável nesse momento de recuperação.

Enfim, o que gostaria de enfatizar com essas percepções é que sinto mudanças sensíveis nos posicionamentos das lideranças empresariais (C-Suite) em pleno alinhamento com o que disse o CEO da BCG.

Sempre que me perguntam sobre o que penso sobre a sustentabilidade, e de uns tempos para cá sobre o tal ESG, não hesito em reconhecê-los com meu incorrigível otimismo como tendências irreversíveis.

Porém, é notória a lentidão como esses movimentos seguem sua rota e quando vejo grandes lideranças ampliando sua visão sistêmica e demostrando preocupação com temas que compõe as genuínas dimensões de ESG, minha impressão é que acenderam uma luz clara e intensa um pouco mais à frente nesse longo túnel que percorremos.

Nesse contexto, reforço minha convicção de que precisamos investir fortemente no desenvolvimento lideranças que possam ser reconhecidas como sustentáveis.

E quero crer que algumas lideranças atuais, como estas que estavam conectadas no Fórum Econômico Mundial, devam ser as referências que os mais jovens buscam e precisam.

Com um perfil alicerçado por valores e princípios inegociáveis e com recursos materializados por sólidas competências essenciais (soft skills), os líderes do futuro terão melhores condições para vencer os desafios que hoje ainda começam a ser somente percebidos.

Realmente, acredito nisso!