Sabedoria

Por Vitor Seravalli

Como sempre, eu seguia apressado e, enquanto cruzava a mesma grande praça de todos os dias, não via os sinais do início daquela primavera. Aliás, eu estava em uma fase de minha vida em que notava poucas coisas e, mesmo assim, de modo vago. Fazia, ou pensava que fazia, várias coisas ao mesmo tempo. Por isso, não sobrava tempo para ver as flores, o nascer do sol e, tampouco, as estrelas. Pensando bem, eu nem mesmo prestava muita atenção nas pessoas importantes de minha vida. De qualquer modo, eu levava comigo todas as justificativas, caso alguma delas, tão carentes, pedisse que eu a escutasse de modo ativo. Se elas soubessem de meus problemas, não seriam tão exigentes comigo.

Eu agia como se estivesse compenetrado, mas de fato eu estava completamente disperso. Por isso, quase não percebi quando um senhor bastante idoso, mas jovial e elegante, me chamou. Perguntou as horas e fez menção de pedir alguma informação. Eu quase fingi que não o vi, pois seguia para um compromisso importante e, como de costume, estava atrasado. Mas, enfim, parei e, olhando meu relógio, disse que eram três e meia. O velhinho agradeceu. Ia fazer uma pergunta específica, mas notou minha impaciência e decidiu deixar-me ir, mesmo sem perguntar.

Ao notar sua reação, interrompi a caminhada e me aproximei dele. Sua expressão de reprovação pela minha desnecessária pressa incomodou-me de alguma forma. Apesar de sua opinião não significar nada para mim, notei algo forte em seu olhar e quis saber um pouco mais sobre ele.

O velhinho sorriu e pediu para que eu me sentasse ao seu lado. Hesitei, pois como disse antes, estava com pressa. Contudo, minha intuição fez com que eu me acalmasse e, por algum motivo desconhecido, me acomodei. Aquele homem possuía um olhar sereno e sua expressão transmitia uma estranha e positiva energia, da qual meu corpo não conseguiu se furtar. Puxei conversa e, logo ele começou a falar.

Inicialmente, quis saber sobre mim. Pediu que eu lhe contasse sobre coisas vagas, como por exemplo, minhas aflições, preocupações, angústias, dúvidas, enfim, ele queria compreender a óbvia relação entre meus passos tão acelerados e meus problemas. Vi uma desconfortável ingenuidade em suas perguntas, mas apesar de meu atraso iminente, não consegui mais deixá-lo. Pelo contrário, comecei a descrever minha rotina como se quisesse iluminar o enorme contraste que existia entre nós dois. Ele me escutava com atenção e seus olhos reagiam sem surpresa às minhas caras e bocas. No fundo, eu tinha o objetivo de impressioná-lo, mas ele já parecia saber de tudo, antes de minhas palavras.

À medida que ia descrevendo minhas dificuldades, vivia a sensação de retirar um enorme peso de minhas costas. Nunca alguém se dera ao trabalho de me ouvir daquela forma tão plena. E eu nunca imaginei ser capaz de me despir da armadura inútil, que me transformava em alguém muito diferente do que eu queria ser.

Quando terminei meu surpreendente e absurdo relato, olhei para seu rosto e vi que ele havia acreditado em mim, como se estivesse revivendo algo que fizera parte de sua própria experiência pessoal em um passado distante.

Fiquei à espera de um feedback, mas antes ele ainda perguntou sobre meus sonhos e sobre minha família. Quis também conhecer minha visão pessoal e meus objetivos de longo prazo. Por último, perguntou-me a respeito de meu entendimento sobre a vida. Definitivamente, eu o compreendia cada vez menos e não tinha a menor ideia de onde ele queria chegar.

Falou-me sobre incoerência de construirmos muros, quando deveríamos construir pontes em relação aos nossos relacionamentos. Contou sobre a importância de perdoarmos as pessoas que nos machucam, sem levar ressentimentos ou qualquer rancor. Recomendou a escolha perene pelo amor em detrimento do ódio. Mostrou-me todas as vantagens de usarmos o tempo a nosso favor, para fazermos as coisas que realmente nos importam. E entre outras sábias lições, sugeriu sempre a preferência de primeiro escutar, depois falar.

Quando terminou, o adorável velhinho ficou pensativo. Apoiou os cotovelos sobre os joelhos e suas mãos apoiaram seu queixo, enquanto ele olhava o horizonte como se estivesse buscando alguma coisa muito importante ao alcance de seus olhos. Eu o observava atento e nem me lembrava mais de meu compromisso.

Diversos pensamentos vinham à minha mente refletindo tudo o que deveria ter sido feito e não foi, as lições que deveriam ter sido aprendidas e incorporadas à minha forma de escolher, de decidir e de viver minha própria vida. Não sei o porquê, mas aparentemente tudo estava escondido em algum lugar secreto e inatingível dentro de mim, e agora se tornava tão claro, tão nítido aos meus olhos.

Algum tempo depois, tomei consciência do óbvio. Não havia nenhum velhinho. Eu mesmo estava sentado sozinho em um banco daquela praça, na mesma posição que imaginei a personificação do pouco de sabedoria que incorporei durante a vida, naquele sábio ancião.

Sempre soube que a sabedoria é algo que quanto mais buscamos, mais parece se distanciar de nós. Todavia, se quisermos liderar nossas vidas, nossos projetos pessoais e profissionais, e decidirmos assumir o papel de um eficaz agente de mudanças em prol de um mundo melhor e mais sustentável, não poderemos abrir mão de nada do que vida já nos tenha ensinado.  Isto significará assumir o compromisso de sermos, no presente, a melhor versão da pessoa que podemos vir a ser.

Levantei-me e segui meu caminho sentindo-me uma nova pessoa. É verdade que não houve qualquer metamorfose. Meus problemas e minhas falhas ainda permaneciam comigo. Mas um novo entendimento sobre sabedoria, essência de minha singela reflexão, nunca mais me abandonou.

Ainda bem!

fonte imagem: http://acibel.com.br

Voltar ao blog